Domingo II da Quaresma

“Recomeçámos o nosso caminho rumo à Páscoa. Este tempo de Quaresma é um momento de renovação e de conversão com todo o nosso coração. À semelhança de Jesus, deixemo-nos guiar pelo Espírito ao deserto.

As comunidades do passado deixaram-nos três sugestões para ajudar a atravessar os desertos:

 Jejuar: é importante perceber a fome, principalmente da Palavra, de sentido, de autenticidade, dos outros. Pode-se jejuar dos egoísmos, das pressas, da falta de profundidade, dos excessos de comida, do que faz mal,… Contudo, seja um jejum por alguma coisa. Pode-se jejuar da TV para estar com os filhos e a esposa, jejuar dos mexericos para falar com Deus, jejuar do olhar-se ao espelho para ver o necessitado…

Rezar: uma oração feita principalmente de escuta e não tanto de pedidos. Quaresma é um tempo para ler a Palavra, diariamente, cinco a dez minutos, com calma, saboreando-a, deixando-a assentar no coração. Redescobrir, talvez em família, a oração juntos, antes das refeições, ao deitar. Quase um diálogo de amor de filhos com o Pai, louvando, agradecendo, confiando-se, pedindo perdão.

Dar esmola: não significa dar o supérfluo, mas abrir o coração às necessidades do outro. É uma fé que se concretiza nos gestos quotidianos. Alargar o próprio coração aos outros provoca em nós uma mudança, uma conversão.”

Boa caminhada quaresmal.                                                               Frei Acílio Mendes

Cânticos para o II Domingo da Quaresma – Ano B (liturgia)

Trazer

Publicado em Ensaios

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Comentários recentes

Arquivo